Cidadão do Povo
Mauricio Dias

Edilson Gomes da Silva está preso na 14ª Coordenadoria de Polícia em Irecê

Um homem de 40 anos foi morto a facadas na madrugada deste sábado, 31, no município de Ibititá, a 48 Km de Irecê. O crime aconteceu dentro de um bar, no bairro Barro Duro. Oscar Bezerra de Lima foi assassinato após uma briga com Edilson Gomes da Silva. A polícia ainda apura a real motivação do crime.

Edilson Gomes da Silva foi preso no início da manhã deste sábado, e transferido para a 14ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), com sede em Irecê, onde responderá por homicídio. Oscar Bezerra trabalhava como oleiro em Ibititá. Fonte: Irecê Repórter - Foto: Polícia Civil

Uma família morreu após um acidente na manhã de sábado (31), na BR-153, em Tocantins. As vítimas foram identificadas como  Domingos Gonçalves de Almeida, a mulher dele, Kenia Almeida Leite Gonçalves, e os filhos do casal, Jhon Gabriel Gonçalves de Almeida e Joseph Isaac Gonçalves de Almeida.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o carro em que as vítimas estavam e um ônibus colidiram frontalmente.  A família morreu no local e o motorista do ônibus ficou com ferimentos leves.



Dinâmica do Acidente

O ônibus que trafegava no sentido norte/sul, invadiu o acostamento da contramão de direção colhendo o Veículo Honda Cívic que trafegava em sentido contrário. O motorista do ônibus alega que havia dois caminhões no acostamento e ao desviar do mesmo perdeu o controle do veículo. A PRF recolheu o disco do tacógrafo do ônibus e encaminhou o condutor à Central de Flagrantes na cidade de Gurupi/TO



As causas do acidente ainda não foram esclarecidas. O velório das vítimas aconteceu na manhã do sábado, 31, em uma igreja evangélica, onde Kenia era cantora. O enterro das vítimas ocorreu na tarde deste domingo, 1º.*Com informações do Correio e portalnabocadopovo - Fotos: Reprodução das agências e Facebook

Os black blocs que executaram as ações de grande repercussão do ano passado continuam fora do radar da polícia, e prometem transformar a Copa do Mundo "num caos". Para isso, alguns deles esperam que o PCC (Primeiro Comando da Capital), a organização que domina os presídios paulistas e emite ordens para criminosos soltos, também entre em campo. Não se trata de uma parceria, mas de uma soma de esforços.

Com o compromisso de não identificá-los, a reportagem ouviu 16 desses black blocs, em seis encontros, na última semana.

À diferença dos adolescentes que os imitaram em depredações, e que acabaram arrolados em um inquérito do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais), eles são adultos, seguem tática desenvolvida há décadas na Europa e nos Estados Unidos, não têm página no Facebook nem querem aparecer.

Dos 20 que formam o núcleo da rede, apenas um foi fichado, porque foi detido em uma manifestação. Movem-se na sombra do anonimato, articulam-se nacionalmente, e nunca haviam dado entrevista antes. Preocupados com sua imagem perante a opinião pública, decidiram falar, pela primeira vez.

O mais veterano deles, de 34 anos, formado em História na USP e com matrícula trancada no curso de Psicologia, promete:

— Vamos estourar de novo agora.

"A gente vai devolver o troco na moeda que o Estado impõe", ameaça o ativista, que trabalha para um hospital público de São Paulo.

— O caos que o Estado tem colocado na periferia, por meio da violência policial, na saúde pública, com pessoas morrendo nos hospitais, na falta de educação, na falta de dignidade no transporte, na vida humana, é o caos que a gente pretende devolver de troco para o Estado. E não na forma violenta como ele nos apresenta. Mas vamos instalar o caos, sim. Esse é um recado para o Estado.

O veterano continua, lembrando as ações do PCC na década passada:

— A gente tem certeza de que o crime organizado, o PCC, vai causar o caos na Copa, e a gente vai puxar para o outro lado. Não temos aliança nem somos contra o PCC. Só que eles têm poder de fogo muito maior do que o MPL (Movimento Passe Livre, que iniciou as manifestações, há um ano, com ajuda dos black blocs). Pararam São Paulo. * As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Emília Nascimento Barbosa de Oliveira, 35 anos, gerente da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), foi morta em uma suposta tentativa de assalto na noite desta sexta-feira, 30, no município de Cândido Sales (a 607 Km de Salvador).

A vítima foi assassinada na frente do filho, em sua residência, localizada na rua Presidente Costa e Silva, uma das mais movimentadas da cidade, com uma facada no pescoço. Segundo informações do Blog do Anderson, Emília teria entrado em luta corporal com um homem conhecido como "Lica", já conhecido da vítima e que estaria tentando lhe assaltar.

Segundo uma testemunha, que preferiu não ser identificada, Emília tinha saído de casa para ir ao banco e a padaria. Ao retornar à residência, ela foi abordada pelo suposto assaltante, que já se encontra detido na delegacia da cidade.

Moradores do bairro afirmam que o criminoso já era conhecido da vítima e residia próximo ao local do crime. Segundo depoimentos, "Lica" era pintor e havia feito um serviço para a irmã de Emília. Na delegacia, ainda segundo blog, o criminoso teria dito que havia matado a irmã de Emília.

O corpo da funcionária pública está no Instituto Médico Legal de Vitória da Conquista. O velório e sepultamento foram realizados ainda no sábado, 31, em Cândido Sales. A polícia continua com a investigação para descobrir a motivação do crime. *Com informações de A Tarde e Blog do Anderson - Foto: Reprodução/blog nildofreitas.com

Quatro crianças que tinham entre 7 e 12 anos morreram carbonizadas na noite desta sexta-feira, 30, por volta de 22h, no município de Itabuna, a 447 km de Salvador. Tiago de Oliveira Santos, de 12 anos, Horberam Santos Costa, de 10, e Orleans Santos Costa, de 9, eram irmãs e moravam em um barraco no lixão da cidade. A mãe das vítimas, que não teve o nome revelado, passou mal e foi socorrida para um hospital.

A outra criança era prima das três e estava em um barraco vizinho, que também foi atingido pelas chamas. Segundo informações de populares, os gritos das crianças foram ouvidos e os vizinhos tentaram apagar o fogo, mas não conseguiram. Familiares reconheceram os corpos das crianças na manhã deste sábado, 31, no departamento de Polícia Técnica (DPT), mas eles ainda não foram liberados. A Tarde - Foto: Reprodução

Para o juiz, uma traição que durou 20 anos não poderia ficar impune

A Justiça de São Gonçalo dos Campos-BA, a 107 Km de Salvador, recusou no último dia 27 de maio de 2014, o último recurso judicial de uma mulher condenada, no final de 2013, a pagar R$ 50 mil de indenização por danos morais porque, durante 20 anos, escondeu do marido que a filha que ele registrou como sendo dele era de outro homem. O caso foi parar na Justiça porque o ex-marido começou a desconfiar da moça de 20 anos não ser sua filha. O ex-marido alegou que estava sendo vítima de humilhações na cidade diante do disse-me-disse que havia sido traído pela ex-mulher, ré no processo.

Na Justiça, após o exame de DNA ter sido negativo, reconheceu-se que ele não era o pai da moça que ele achou que fosse durante 20 anos. Diante disso, o juiz determinou a retificação  do registro de nascimento, retirando o nome do pai da certidão de nascimento da "filha" de outro homem e ainda condenou a ex-mulher pagar o valor  de R$ 50 mil que, atualizado, já está em R$ 93 mil reais de indenização por danos morais.

A Promotora de Justiça chegou a emitir um parecer para a ex-mulher não ser condenada com indenização por danos morais, mas o Magistrado entendeu, por achar que uma traição que faz um homem, 20 anos seguidos, pensar que fosse pai de uma pessoa que não era sua filha não poderia passar impune. O caso corre sob segredo de justiça e o último recurso foi rejeitado no dia 27, conforme despacho do Juiz José Brandão, atual magistrado da Vara Cível da Comarca. Fonte: Folha do Paraguassu

Uma organização formada por pelo menos 41 empresas é investigada por cometer fraudes fiscais que desviaram cerca de R$ 90,5 milhões da Fazenda Estadual. A Operação Vesúvio investiga empresas dos setores de distribuição de alimentos e postos de combustíveis e já resultou na prisão de um homem.

Outros sete participantes da organização seguem foragidos nos municípios de Ubatã, Caravelas, Itabuna, Ibirapitanga e Ipiaú, no sul e extremo sul da Bahia. A operação foi iniciada nesta sexta-feira (30) e busca desarticular a organização, que é liderada por um empresário dono de 48 imóveis, entre fazendas, casas e pontos comerciais. Ele já foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) e responde a processo de crime contra a ordem tributária na Vara Federal de Jequié.

O homem preso e os procurados são acusados de constituir e/ou comprar empresas em nomes de familiares e de empregados de empresas do grupo; simular sucessivas alterações nos contratos sociais das empresas, com o objetivo de modificar os quadros societários e confundir a fiscalização; administrar empresas do grupo através de procurações. Segundo a Polícia Militar, também há indícios de blindagem patrimonial.

A operação é realizada por agentes das secretarias da Fazenda (Sefaz-Ba), de Segurança Pública (SSP), por meio da Delegacia de Crimes Econômicos e Contra a Administração Pública (Dececap), a Procuradoria Geral do Estado, via Procuradoria Fiscal, e o Ministério Público Estadual (MPE), via Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal e aos Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica, as Relações de Consumo, a Economia Popular (Gaesf). iBahia - Foto: Reprodução

Um policial militar foi preso, na quinta-feira (29), com um carro clonado em Alagoinhas, localizado a cerca de 100 km de Salvador. Investigadores da 2ª Coorpin (Coordenadoria Regional de Polícia do Interior) flagraram o soldado Valtemir Oliveira Santos, de 45 anos, lotado no 4ª Batalhão/Alagoinhas, na localidade de Baixa da Santinha, naquela com o veículo roubado, um Fiat Bravo preto e placa clonada.  

Os policiais chegaram até o PM depois que o proprietário de um veículo com modelo e cor semelhantes, e cuja placa havia sido clonada, receber três multas, emitidas em Alagoinhas, sem ter saído da capital baiana.  

O acusado foi autuado em flagrante por receptação pelo titular da DRFR (Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos), delegado Glauco Suzart. O veículo foi encaminhado à perícia no DPT (Departamento de Polícia Técnica). Foto: Divulgação

A Justiça Federal na Bahia revogou, na tarde desta sexta-feira (30), a prisão preventiva do vereador Marco Prisco, líder do movimento grevista da Polícia Militar da Bahia. A prisão foi substituída por medidas cautelares. Foi levado em consideração o fato do vereador possuir trabalho e residências fixas.

Apesar da liberação, ele terá que pagar 30 salários mínimos de fiança, não poderá frequentar quartéis nem ter contato com diretores de qualquer associação de policiais militares. Além disso, não poderá se ausentar da comarca de Salvador sem autorização prévia da Justiça, entre outras restrições.

Segundo o advogado de defesa Vivaldo Amaral, vereador só deve sair da prisão semana que vem, já que o pagamento da fiança só poderá ser providenciado na segunda-feira (2). O pedido de habeas corpus do vereador, no entanto, ainda não foi julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O julgamento estava previsto para o último dia 27, mas foi adiado a pedido dos advogados de Prisco. No mês passado, o ministro Ricardo Lewandowski rejeitou a liminar que pedia a libertação do vereador.

O vereador foi preso no dia 18 de abril e transferido para o Complexo Penitenciária da Papuda, no Distrito Federal, porque a ordem judicial determinou que ele deveria ficar recolhido em instituição prisional federal. Correio - Foto: Reprodução

Homens explodiram as agências do Bradesco e do Banco Postal, vinculada ao Banco do Brasil, no município de Brotas de Macaúbas (a 594 km de Salvador) na madrugada desta sexta-feira, 30. Uma viatura da Companhia de Ações Especiais do Semi-Árido da Polícia Militar (Caesa) passava na cidade no momento do assalto e houve confronto com os bandidos e três policiais foram baleados. Não há informações sobre o estado de saúde deles.



De acordo com a população, cerca de 15 assaltantes chegaram em dois veículos e uma moto. Enquanto parte do grupo realizava o assalto, os demais aterrorizaram os moradores. Após o crime, a quadrilha fugiu. Não há informações do valor roubado. Por conta da destruição das agências, a cidade está sem banco e os moradores devem procurar atendimento na agência da cidade de Ipopiara, que fica a 32 km de Brotas de Macaúbas. ATarde - Foto: Reprodução/PM

O que a princípio seria apenas um encontro de casal, quase termina em morte na noite desta segunda feira, 26, ao lado do Supermercado Gonçalves na Avenida Jatuarana, Bairro Jardim Eldorado na cidade de Ariquemes- RO. A vítima foi identificada como sendo Giovanni Passos de Castro, 21 anos.

Segundo informações, Geovani teria marcado um encontro com uma garota de 17 anos pelo aplicativo WhatsApp, mas quem apareceu no local foi o marido dela, que supostamente estaria respondendo as mensagens e marcando o encontro.

O rapaz estava armado e efetuou vários tiros contra Geovani, acertando-o no ombro e coluna. Após os disparos, o suspeito fugiu. Uma ambulância avançada do SAMU esteve no local e prestaram os atendimentos à vítima, que dizia não sentir suas pernas e possivelmente ficará paraplégico. Folha do Bico - Foto: Reprodução

Policiais do Serviço Reservado do Comando de Policiamento Regional Leste (CPRL) prenderam na tarde da última terça-feira (27), em Feira de Santana, um homem de 62 anos suspeito de usar documentos falsos do próprio sobrinho, o capitão Marcus Vinícius Verne de Carvalho, lotado no Batalhão de Operações Especiais da PM.

Segundo a polícia, Francisco José Assis de Carvalho foi preso no momento em que tentava comprar um veículo no valor de RS 40 mil em uma concessionária na Avenida Presidente Dutra, em Feira de Santana, usando documentos falsos.

“A partir do momento em que fomos acionados pela Coordenadoria de Missões Especiais começamos a investigar e conseguimos prendê-lo em um estabelecimento comercial”, explicou o coronel Adelmário Xavier.

O acusado mora no município de Alagoinhas e, segundo o sobrinho, já teve passagens na Polícia. “Ele já foi levado à delegacia em Aramari ao se passar por meu pai”, disse Marcus Vinícius, que é capitão.



Na tarde desta quarta-feira,28, a redação do site CN recebeu um e-mail de uma pessoa dizendo ter visto a foto de Francisco e o reconheceu, informando que o mesmo foi visto em Conceição do Coité e que teria feito compras na cidade supostamente com documentos falsos. Em contato com a 4ª Cia a Policia Militar em Coité para saber se chegou a informação de algo relacionado a um capitão morando na cidade foi informada que não, entretanto ao tomar conhecimento da prisão a central foi informada que o mesmo mora ou morou numa casa alugada na Rua Duque de Caxias, em frente ao Juizado de Pequenas Causas.

A equipe de reportagem foi até a referida residência mas não encontrou ninguém, mas uma servidora pública que preferiu não revelar seu nome ao verificar a foto disse que a pessoa não era estranha e a impressão que tinha era de já ter visto aquele cidadão.

Cabe agora a população, principalmente o comércio, caso tenha sido mesmo lesado manter contato com a Polícia de Feira de Santana, ele está custodiado no Conjunto Penal daquela cidade.  Fonte: Calila/De Olho na Cidade e Marcos Valentim- Foto: Boca de Zero

O menor foi encontrado com os pés e mãos amarrados

As investigações sobre a morte do menino Gabriel Ribeiro Gonçalves, de cinco anos, tiveram uma reviravolta. A Polícia Civil informou que a avó do garoto apareceu como suspeita do crime e foi indiciada. O garoto foi estuprado e depois morto em um ritual de magia negra na cidade de Machadinho, interior de Rondônia.

Um homem foi preso no dia do crime. Os avós do garoto disseram que hospedaram o suspeito em casa porque ele disse que veio de outra cidade para trabalhar em uma colheita e não tinha onde ficar. O crime ocorreu no dia 28 de abril, na casa da família.

O corpo de Gabriel foi encontrado em cima da mesa, com os pés e mãos amarrados, e coberto por flores e alimentos. A polícia disse que imagens de santos estavam ao redor do cadáver. O suspeito foi indiciado por homicídio doloso e está em uma penitenciária do Estado.

Os avós do garoto estavam em casa no momento do ritual e nada fizeram para coibir

A polícia informou quea avó estava na casa quando o crime ocorreu e nada fez. Ela teria conhecimento das intenções do assassino e não chamou a polícia, por isso foi indiciada. Ela responderá em liberdade até o fim do inquérito. Os avós perderam a guarda dos outros netos e são investigados por negligência. As crianças foram levadas para abrigos. R7 - Foto: Reprodução Rede Record

A dentista brasileira Luana Pinheiro Golim Camargo, 28 anos, foi morta a facadas em Lisboa, Portugal, na manhã desta quarta-feira (28). Familiares dizem que o marido da dentista, que também é brasileiro, é o principal suspeito pelo crime. Ele foi preso pela polícia no consultório onde a dentista trabalhava. O Itamaraty acompanha o caso.

A família soube da morte de Luana esta manhã. "Todos ficaram muito abalados. Ela já tinha saído da casa onde morava com o marido por causa de desentendimentos motivados por ciúmes", disse Marcelo Marques, primo da vítima.

O crime foi às 10h no horário local de Portugal. A dentista estava trabalhando e logo depois de atender a uma cliente viu o suspeito entrar e se trancar com ela. Ele não estaria feliz porque Luana havia pedido separação. Luana levou cinco facadas. Depois de cometer o crime, o marido ficou esperando a polícia em frente ao consultório.

Luana chegou a sair de casa há 3 dias disposta a terminar o casamento. "O companheiro falou que tinha trocado as fechaduras e não deixaria que ela entrasse mais para buscar suas roupas", conta o primo.

A dentista se mudou para Portugal em 2006, logo depois de se casar com o marido, que trabalhava como personal trainer. Os familiares dizem que ela se mudou para a Europa em busca de mais chances. Ao chegar lá, resolveu ficar e conseguiu abrir um consultório em Lisboa, com o qual se mantinha.

"O marido não tinha as condições ditas e ela teve que arcar com todas as despesas. A família já tinha sido comunicada de problemas de relacionamento entre o casal. As brigas eram constantes, ele era agressivo e os pais já acreditavam que ela voltaria para o Brasil", diz ainda Marcelo. Luana deixa pai, mãe e irmão. globo.com - Foto: Jurandir Pinheiro/Arquivo Pessoal

Universitária, Luara Viali Silva de 23 anos, é presa suspeita de roubo a caixas eletrônicos

A estudante de direito Luara Viali Silva, 23 anos, o namorado, Anderlan Michel Chagas, de 33 anos, e o cunhado, Andreivid Chagas Costa, de 23, foram presos nesta terça-feira (26) suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em arrombamento de caixas eletrônicos.

 A prisão do grupo aconteceu no bairro São Geraldo, em Cariacica, região Metropolitana de Vitória. Segundo a Polícia Civil, os três agiam em parceria com outros quatro suspeitos, que são de fora do Espírito Santo, provocando um prejuízo que ultrapassa R$ 2 milhões. Para a polícia, a quadrilha é responsável por pelo menos 13 crimes semelhantes, desde 2012. Os outros quatro suspeitos estão foragidos. Os irmãos presos não quiseram falar com a imprensa e a jovem não foi apresentada.

De acordo com levantamentos da Delegacia de Roubo a Banco do Espírito Santo, o grupo participou do arrombamento do caixa eletrônico localizado dentro de um supermercado, no bairro Jardim América, em Cariacica. O crime aconteceu na noite de domingo (25), quando foram roubados mais de R$ 80 mil.

Aderlan (à esquerda) escolhia os alvos e analisava a região antes dos arrombamentos, o irmão Andreivid (à direita) era responsável por dar cobertura e vigiar o local

Flagrante

A universitária, Luara Viali Silva, o namorado e o cunhado foram autuados em flagrante pelo crime de furto qualificado e associação para o crime. A estudante não foi apresentada à imprensa. Já os irmãos não quiseram dar declarações a respeito da detenção. Os dois foram encaminhados para o Centro de Triagem de Viana, e a jovem para o presídio feminino. G1 - 1ª Foto: Reprodução/Facebook - 2ª Foto: Marcos Fernandez/A Gazeta

Um grupo de assaltantes explodiu duas agências bancárias e levou pânico aos moradores da cidade de Mundo Novo, na Chapada Diamantina, na madrugada desta quarta-feira (28). A ação durou cerca de 30 minutos. 

Segundo informações da Polícia, a primeira explosão aconteceu por volta das 2h30 da madrugada. Outras quatro explosões levaram aos ares as agências do Banco do Brasil e do Banco do Nordeste.

Com as explosões, os moradores se assustaram e alguns chegaram a sair de casa. Houve um intenso disparo de armas de pesado calibre. Os caixas eletrônicos das agências também foram destruídas. Eles levaram o dinheiro dos terminais.

Os criminosos ainda tentaram explodir o cofre da agência do Banco do Brasil, mas não conseguiram. Eles fugiram em seguida. Policias militares e civis das cidades vizinhas fazem buscas à quadrilha.

A explosão nesta quarta (28) acontece um ano após o assalto às duas mesmas agências em Mundo Novo. Além do medo vivido pelos moradores do município a 292 quilômetros de Salvador, um funcionário de uma das agências, que havia sido levado como refém, acabou baleado durante uma troca tiros entre policiais e assaltantes em fuga. A agência ficou fechada durante alguns meses por conta do assalto, provocando protestos da população. 

Na agência do Banco do Brasil de Mundo Novo, trabalhavam temporariamente os funcionários da agência do município de Piritiba, distante 21 quilômetros, depois que o banco da cidade foi explodido em um assalto em fevereiro deste ano. Fonte: Correio - Foto: Acervo Mundo Novo

Adenor Almeida Rios, 65 anos, natural de Mairi, que morava na Rua Marechal Castelo Branco, no bairro Santa Monica, em Feira de Santana, morreu atropelado na Avenida Getúlio Vargas, por volta das 21h30 desta segunda-feira, 26 de maio de 2014. Segundo testemunhas, a vítima foi colhida por um veículo Fox, branco. O condutor não prestou socorro, mas a polícia já identificou o endereço do proprietário do carro.

A vítima foi arrastada por vários metros e o corpo foi encontrado na Rua Teteu, esquina com a Getúlio Vargas. A delegada Mônica Soares efetuou o levantamento cadavérico. O corpo foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). Adenor era irmão do finado Chico Arrebite, filho do finado Zinho Pacal. *Com informações do Acorda Cidade - Fotos: Ed Santos

Um homem tenta evitar o fim do relacionamento conjugal e invade a casa da companheira armado com uma faca, em uma localidade de Manaus, no estado do Amazonas. Após a chegada da polícia, ele faz a mulher refém e ameaça a vida da vítima.

Os policiais tentam negociar cerca de 18 minutos com o homem, que não teve o nome identificado. Ele implora que a companheira não o abandone enquanto policiais  acompanham o diálogo do casal, mas subtamente ele tenta desferir golpes de faca contra a companheira, quando a polícia age rapidamente e alveja o acusado.

 Assista:

Imagens: Youtube

Japonesa desapareceu há dois meses e seu corpo foi encontrado com várias perfurações

A polícia japonesa investiga o caso de uma enfermeira cujo cadáver foi enviado de Osaka para Tóquio por um serviço de entrega expressa. O corpo de Rika Okada, de 29 anos, percorreu cerca de 400 quilômetros e foi descoberto em uma caixa de papelão de 2 metros. No formulário de entrega, o conteúdo da encomenda foi descrito como sendo uma "boneca". A caixa estava dentro de um contêiner alugado – espaço muito usado por japoneses como garagem ou depósito – na cidade de Hachioji, subúrbio da capital japonesa.

Mas a "encomenda" foi entregue primeiro em um apartamento, alugado em nome de uma brasileira, cuja identidade não foi divulgada pela polícia. Os investigadores suspeitam que a brasileira e uma mulher chinesa possam estar envolvidas em um possível assassinato de Rika. As duas viajaram no início do mês para Xangai, na China, e não voltaram mais ao Japão.

A brasileira se entregou nesta terça-feira (27) ao Consulado Geral do Japão em Xangai. A polícia japonesa havia solicitado sua extradição porque ela teria viajado com um passaporte japonês falso, informou a emissora Fuji TV. Além do documento, a polícia suspeita que a brasileira tenha usado os cartões de crédito de Rika. O valor total dos gastos passa de US$ 10 mil (mais de R$ 22 mil).

A empresa transportadora disse que o pacote foi enviado de Osaka em nome de Rika. Segundo a polícia, o depósito onde estava o corpo foi alugado também em nome da japonesa morta e pago com o cartão de crédito dela.

Corpo de enfermeira foi achado em contêiner de aluguel usado como depósito

Os investigadores descobriram mais de uma dezena de perfurações no corpo da vítima, possivelmente feitas com uma faca, mas não encontraram ferimentos defensivos nos braços, segundo a imprensa local.

Caso complicado

O caso teve início com o desaparecimento da enfermeira, há dois meses. No dia 21 de março, ela não apareceu mais ao hospital onde trabalhava. A mãe da vítima também não conseguiu mais entrar em contato com sua filha, mas só resolveu procurá-la agora. Quando foi ao apartamento onde Rika morava sozinha, em Osaka, a mulher encontrou manchas de sangue.

Pouco antes do desaparecimento, a japonesa havia escrito em sua página no Facebook que estava indo se encontrar com uma amiga que não via há muitos anos. A brasileira e a japonesa teriam estudado juntas em um colégio de Osaka. Pelo teor da mensagem postada na rede social, Rika estava ansiosa e contente pelo reencontro.

Segundo o jornal "Sankei", o pai da brasileira disse que a filha saiu de casa depois de uma briga, há três anos, e nunca mais entrou em contato com a família. "Eu nem sabia que ela estava morando em Tóquio", declarou ao periódico. BBC/G1 - Foto: Reprodução da TV Japonesa

 

O estudante Rodrigo Valentim, 22 anos, que confessou ter atropelado e matado a idosa Cleonice Barreto de Souza, 67 anos, na manhã de domingo, na Avenida Paulo VI, negou que tivesse ingerido bebida alcóolica. A vítima havia saído para fazer uma caminhada, quando foi atingida por um Hyundai i30 preto, que seguia em alta velocidade, na contramão.

Na ocasião, o motorista fugiu do local sem prestar socorro. De acordo com o delegado Marcelo Sansão, titular da 1ª Delegacia de Homicídios, Rodrigo foi preso em casa, também na Pituba.

O jovem, que foi autuado em flagrante, é filho da prefeita de São Francisco do Conde, município da Região Metropolitana de Salvador, Rilza Valentim (PT). “Ele disse que estava sozinho e confirmou que estava dirigindo o carro, mas nega ter ingerido bebida alcoólica”. Ainda segundo Sansão, o veículo não está registrado no nome de Rodrigo, mas no de uma empresa, que não soube dizer qual.

“Identificamos o proprietário e chegamos até ele (Rodrigo), que já estava com o carro há algum tempo”.  Um amigo de Rodrigo, que preferiu não se identificar, disse ao CORREIO que estava com o jovem na noite de sábado, um dia antes do acidente. iBahia - Foto: Reprodução

Abreu
Cafe beira rio